TRATAMENTO TÉRMICO DE TEMPERA E REVENIDO EM DIFERENTES MEIOS DE RESFRIAMENTO DO AÇO DIN 18CrNiMo7-6

  • Fernando Henrique Vicente Estudante do curso superior de Tecnologia em Mecânica: processos de soldagem da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Sertãozinho – SP – Brasil.
  • Wallace da Silva Domingos Estudante do curso superior de Tecnologia em Mecânica: processos de soldagem da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Sertãozinho – SP – Brasil.
  • Antonio Carlos Muniz Ventura Junior Prof. Esp. da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Sertãozinho – SP – Brasil.
  • Mirian Isabel Junqueira Sarni Profa. Me da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Sertãozinho – SP – Brasil.
  • Raquel Gomes Meirelles Prof. Esp. da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Sertãozinho – SP – Brasil.
Palavras-chave: Aço DIN 18CrNiMo7-6. Tempera e revenido.. Propriedades mecânicas.

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo de realizar um comparativo com três corpos de provas temperados   em meios diferentes de resfriamento, para verificar como a estrutura se comporta antes da cementação, para poder definir se as diferentes estruturas resultantes interferem no posterior tratamento de cementação. Como   estudo, utilizou-se o aço DIN18CrNiMo7-6, aço típico para cementação, empregadas em peças de alto índice de desgaste nas usinas de cana, aplicando-se o tratamento de austenitização a temperatura de 850°C e posteriormente, resfriadas no meio em óleo, água e ao ar calmo. Na sequência, os corpos de prova serão levados novamente ao forno e revenido na temperatura de 300°C e resfriados lentamente em seu interior. Após revenidos, serão feitas análises quanto à composição química, análise metalográfica, dureza, ensaio de tração, impacto. Todos os ensaios seguiram as especificações conforme a norma ASTM para esse tipo de aço a fim de comparar os resultados obtidos com relação a literatura pesquisada. Com os resultados dos ensaios realizados nos corpos de prova, as estruturas resultantes bainita, ferrita e perlita foram em função do meio de tempera em água, óleo e ar calmo. A média das durezas foram de 402HB a 272HB, os resultados de tração variaram de 1472MPa a 889MPa e os resultados do ensaio de tenacidade ao impacto Charpy atingiram o valor médio de 48J. Com os resultados, a tempera em água atende as peças em  função dos esforços aplicados quando em operação de trabalho. Nos meios a óleo e ar, os resultados não atendem a aplicação de trabalho das peças.

Publicado
28/12/2020
Seção

Mecânica e Metalurgia de Transformação / Tratamento térmicos, mecânicos e químicos