INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE, DEFINIDOS NO PADRÃO DE PRODUÇÃO BONSUCRO DE USINAS SUCROENERGÉTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO VISANDO O MERCADO EUROPEU

  • Prof. Me. André Luís Assumpção Faculdade São Luís – Jaboticabal – São Paulo – Brasil
  • Profa. Dra. Glaucia Aparecida Prates UNESP – Itapeva – SP – Brasil
  • Profa. Dra. Lesley Carina do Lago Attadia Galli UNESP – FCAV- Jaboticabal – SP – Brasil
  • Profa. Dra. Helenita Rodrigues da Silva Tamashiro Faculdade de Tecnologia (FATEC) – Sertãozinho – SP – Brasil
Palavras-chave: Sustentabilidade. Bonsucro. Sucroenergético

Resumo


A sustentabilidade é um conceito adotado por vários setores produtivos, a qual busca atender critérios socialmente desejados/valoráveis e imposições legais e normativas. Dentro deste contexto existem certificações e legislações internacionais que direcionam estas exigências. A Diretiva 28/2009/CE do Conselho e Parlamento Europeu, publicada em 23 de abril de 2009 e a Bonsucro (Better Sugarcane Initiative) são bases importantes de informação. Diante desse contexto, o setor sucroenergético tem as suas práticas monitoradas por todo o mundo, e práticas produtivas inadequadas com esta nova realidade interfere na comercialização dos seus produtos. Entretanto, para possibilitar que os produtores brasileiros possam atender também a essas exigências externas, o Bonsucro, única certificação para biocombustíveis derivados de cana-de-açúcar implementada no Brasil incluiu algumas das exigências da União Européia. Associado à questão, o objetivo geral desse trabalho é demonstrar através de pesquisa bibliográfica sobre a importância de se analisar as lacunas de sustentabilidade baseados no Padrão Bonsucro para alcance do mercado Europeu de nossas unidades produtoras sucroenergéticas. Como conclusão tem-se: Paralelamente, a identificação dos avanços do setor rumo à sustentabilidade da produção de etanol, e dos obstáculos ainda existentes, conduzirá não só à proposição de ações que viabilizem as exportações, mas também ações para desenvolver parte do setor que não prioriza a exportação. O segundo aspecto, bastante desafiador, baseiase na proposta de avaliação das lacunas, e propor ações para o setor sucroalcooleiro quanto ao atendimento a requisitos que lhe favorecerão no acesso a mercados.

Publicado
2018-12-20
Seção

Mercadológica e Gestão Estratégica da Competitividade Organizacional / Responsabilidade socioambiental e sustentabilidade